Tags

, , , , , , , , , ,

- Foto tirada em casa - DF

– Foto tirada em casa – DF

Miríades que me rodeiam
Tão somente me carregam
Momentos que se crescem
Que me levam por aqui

Não seguiria o que me pede
Apenas verei o caminho pavimentado
Daqueles que o foram antes de mim

Aqui, por onde vou,
As ossadas perdidas dos que tentaram
Jamais olhar para trás.
Uma caveira do canto,
cruzando linhas e ângulos
Diz-me ostentosa seu desígnio
Aquilo que deverá ser meu destino

Orai por mim, bando de ossos
Trilharei teus bosques
Caminho, ah sim, caminho
Apenas em outros passos

Não vereis. Orai por mim escuridão
Guia-me por todo o acaso
Em direção que te encontro
Tu, que me dizeis, orai outra vez
Em meu destino, o que se faz nada é
E ando livre sem as sandálias
Nenhuma das quais que me ofertais

Ora verdes campos de guerra
Apenas cadáveres cercam
Aqui, o lugar dos mortos, terra sem luz
Orai por mim escuridão,
caminho de ossos
Em que trilho de pés descalços.

Não me alcançarás, há medo demais
Em seguir aqui
machuco e sangro
Não tatearei, apenas seguirei cego
Não me preocuparei, pois por mim
Cruzarei vales das sombras
Em medos meus que me pertencem
E aquilo que temerei, não te direi.

Cantai, entoai, bocas descarnadas
Adornai em melodias fúnebres
Únicas que saem de bocas vazias
Meu caminho é.

Nada devo a ninguém
E aquilo que hei de enfrentar,
farei com medo
E sem mais alguém.

Anúncios